Você já pensou em fazer do artesanato sua renda extra? Parece uma ótima ideia, não é mesmo? Afinal, nada melhor do que ganhar um dinheirinho fazendo aquilo que ama. Como a gente super apoia essa ideia, separamos umas dicas básicas que podem ajudar você a colocar seu lado empreendedor em prática ;)


 



  1. QUALIDADE DO PRODUTO: antes de começar, é legal você parar e analisar se a prática que você já tem em fazer seu artesanato é suficiente para receber dinheiro por ele. É muito importante oferecer um padrão de qualidade e ter prática o suficiente para dar conta da produção quando as encomendas começarem a surgir.

  2. CONSTANTE APRIMORAMENTO: mesmo que você já possua bastante prática com sua arte manual, cursos de especialização nunca são demais. Sempre temos o que aprender com a troca de experiências e atualizações. Além disso, frequentar um ambiente com outras pessoas que dividem o mesmo hobby é um momento valioso para ter novas ideias, dicas, tirar dúvidas e até – por que não? - trocar indicações de clientes e fornecedores.

  3. PÚBLICO-ALVO: vender suas peças para as amigas e familiares até pode funcionar no início, mas você vai precisar de clientes que comprem com certa frequência e que se renovem de tempos em tempos. Então, pesquise qual é o perfil de público que se interessa pelo tipo de artesanato que você faz: se é masculino ou feminino, qual a média de idade, quais páginas e sites que têm mais interesse, entre outras informações que você poderá usar para definir aonde irá divulgar o seu trabalho.

  4. FORNECEDOR: quando as suas vendas começarem a acontecer e, consequentemente, você começar a receber novas encomendas, irá precisar de uma loja ou armarinho confiável que lhe forneça o material com a qualidade, a quantidade e o preço que você deseja. Melhor ainda se você conseguir firmar uma parceria com este local, o que será um benefício para os dois lados.

  5. PREÇO: antes de começar a vender suas peças, faça uma pesquisa de preços do mercado de artesanato para manter-se dentro da concorrência e para definir quanto você precisa cobrar para pagar todos os seus custos com material e mão de obra. Sabemos que muitas vezes dá vontade de cobrar barato porque você tem medo de não conseguir vender, mas este é um pensamento enganoso, pois se fizer isso, suas clientes acostumarão com um preço abaixo do mercado e você terá dificuldade de mudar para um preço justo depois. Além do mais, confie no seu potencial e, se as peças tiverem qualidade e criatividade, ninguém vai reclamar do preço.

  6. LOCAL DE TRABALHO: é bastante cômodo poder trabalhar com artes manuais em casa, mas depois que você começa a fazer isso profissionalmente, é melhor separar os ambientes de trabalho e de casa e também definir um período de tempo que você irá se dedicar ao artesanato. Quando fazemos isso, conseguimos manter o foco no trabalho, ter mais organização e produzir com muito mais qualidade. Além disso, se você puder montar um cantinho para ser o seu ateliê, já pode pensar em receber suas clientes nele no futuro, o que fica super confortável e agradável para elas e para você. Quem não gosta de um atendimento personalizado?


 


Gostou das dicas? Se animou? Então comece a pesquisar, ter ideias para seus produtos e você verá como tudo vai começar a fluir. E lembre-se da dica mais importante: em primeiro lugar, começar algo novo deverá fazê-la sentir mais feliz e realizada, pois tudo aquilo que se faz com amor, é valorizado e recebido com amor também. Boa sorte e boas vendas!